Fisioterapia

  • Relaxamento, Descontraturante, Drenagem linfática, Pedras quentes, Hidratante, Anti-Celulite,

Local de referência

Tida como referência durante séculos, esta Casa Agrícola ainda hoje preserva vestígios dessa actividade.

Recentemente restaurada e requalificada, a Quinta Alves de Matos oferece-lhe este espaço genuíno de Turismo Rural, único, à espera da sua visita.

  • Pela harmonia da história, do rústico, implícito nas paredes … e o conforto de um “design” moderno e ergonómico, com atendimento personalizado, permitindo ao cliente usufruir deste espaço e da região, associando a praia com o seu tradicional ritual de espera dos pescadores vindos do mar, redes e ceder com o peso da faina marítima, o pinhal de Leiria, que o conduz à cidade com o seu lindo castelo marcado pela história e o centro de culto católico em Fátima, tão famosa pelos milagres a ele associado.
  • Pelo espaço acolhedor, sempre pronto a receber, primando pelo atendimento personalizado, onde pode relaxar dentro e fora das infraestruturas, no SPA, nos Jardins, no Salão Nobre; excelente para passar um bom momento calmo, relaxante, no seu ambiente rural, tão puro, ainda preservado, tão presente na aldeia de Conqueiros.

Locais a visitar:


Gastronomia

Gastronomia rica e variada a menos de 5 minutos. Marisco, uma das sete maravilhas da gastronomia portuguesa a menos de 15 kms.


O Caseiro

Quando, no dia 26 de Abril de 1994 faleceu o Sr. Luís José Alves de Matos, nascido a 4 de Fevereiro de 1911, com o consequente desaparecimento de todos os descendentes desta ilustre família, ficou devoluto todo este património deixado em testamento ao caseiro, Sr. Luís Domingues, nascido em 1930 e o caseiro do último dos Alves de Matos durante quase meio século, até à data da sua morte.


Os “Alves de Mattos”

A família Alves de Mattos foi uma família abastada que se destacou no século XIX pelos diversos lugares de relevo que ocupou, pelo papel de alguns dos seus membros na cultura, no ensino e na religião.

Por exemplo, D. José Alves de Mattos, falecido em 09 de Abril de 1917, foi Professor no Seminário de Lamego, Reitor do Seminário de Santarém, Cónego da Sé de Lisboa, Provisor e Vigário Geral do Patriarcado, Arcebispo de Pessinonte e Arcebispo de Mitylene.

Date Age Event Title
6 Mar 1855 Born Souto da Carpalhosa
22 Sep 1883 28.5 Ordained Priest Priest
25 Jun 1903 48.3 Appointed Archbishop (Personal Title), Auxiliary of Lisboa {Lisbon}Portugal
25 Jun 1903 48.3 Appointed Titular Archbishop of Mitylene
8 Nov 1903 48.7 Ordained Bishop Titular Archbishop of Mitylene
9 Dec 1915 60.8 Appointed Titular Archbishop of Pessinus
14 Apr 1917 62.1 Died Auxiliary Bishop of Lisboa {Lisbon}Portugal

Mas foi sobretudo no desenvolvimento da atividade agrícola, de forma intensa e tecnologicamente avançada para a época, que se destacou o contributo desta família para a região, sobretudo durante os séculos XIX e XX, períodos de que se dispõe de mais informação.

  •      Pela doação da Capela/Igreja dos Conqueiros ao povo deste lugar, reconstruída em 1797, bem como o adro em frente da mesma, onde repousam os restos mortais de alguns dos membros da família;
  •      Pela doação da quinta do Colégio da Cruz da Areia em Leiria, feita por D. José Alves de Matos, arcebispo de Mityllene, desembargador da Relação e Cúria Patriarcal, Cónego da Sé de Lisboa e Tesoureiro da mesma Sé, conjuntamente com a sua irmã, ambos sepultados no adro da capela dos Conqueiros;

  •      Pela doação da maioria do terreno para a Escola Primária no vizinho lugar de Moita da Roda, para que aí fossem escolarizados os habitantes dos Conqueiros e da Moita da Roda;
  •      Pelo reconhecimento para o Concelho de Leiria, do valor histórico da primeira edição, em 1868, do livro “O Couseiro ou memórias do bispado de Leiria”, na pessoa do seu redator Pe. Inácio José de Matos, também ele aqui sepultado;
  •      Pelo contributo desta Quinta para o Agro museu municipal da Ortigosa, dado que aqui residiu a sua génese;
  •      Pelo contributo desta família para o trabalho e sustento de muitos homens e mulheres desta freguesia, até meados do século XX;
  •      Pelo seu papel na divulgação dos Conqueiros, da Freguesia e do Concelho, incluindo fotografias de casas típicas locais do século XIX, publicadas em livro histórico da época;

Souto da Carpalhosa

Segundo o Couseiro, esta freguesia data de época recuadíssima, podendo dar-se como existente já na segunda década do século XIII. Tendo pertencido, antes da criação do Bispado de Leiria, ao de Coimbra – embora isenta da jurisdição do Prior-mor de Santa Cruz – a freguesia do Souto viu-se privada, em 1589, dos lugares de Coimbrão, Ervideira e Monte Redondo, com que o Bispo D. Pedro Castilho fundou a nova freguesia de Monte Redondo.

De antiquíssimas tradições católicas, Souto da Carpalhosa, cuja igreja apresenta o teto artisticamente pintado pelo miniaturista Eduardo Mafra Elias, foi elevada a vigararia por D. Pedro Barbosa de Eça, em 1638. Tinham fama, nessa época, as suas peregrinações anuais aos santuários da Nazaré e de Nossa Senhora da Encarnação.

Vivendo quase exclusivamente da agricultura, a freguesia possui, como indústrias, algumas fábricas de olaria, fornos de telha, de tijolo e de cal. O fabrico de esteiras de bunho, na Carreira, é típico do Souto, onde também se faz a extração de gesso e de ocre, nas Várzeas e na Encosta de S. Martinho, respetivamente. Houve tempo em que também se fazia a exploração de cal hidráulica, agora abandonada. No Picoto, existem águas termais (uma fonte de água salgada e outra doce) de bons resultados no tratamento do reumatismo. Conquanto haja ferro próximo do Souto, continua por explorar.


Sol e Mar

Algumas das inúmeras praias do Oceano Atlântico situam-se a pouco mais 12 Kms.

Um pouco mais distantes, mas com vias rápidas e auto-estradas:

 


Superb countryside boutique hotel